COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

MARCAS DO QUE SE FOI, SONHOS QUE VAMOS TER...


...Como todo dia nasce novo em cada amanhecer...

O ano se foi, quem fez, fez, quem não fez, ainda dá tempo, não pra fazer, mas pra repensar o porque não foi feito, onde falhou e como fará pra fazê-lo no novo ano que está surgindo.

A cada nascer de ano, vem logo em mente a questão de analisar o ano que se foi, refletir sobre os maus momentos, reviver os bons e planejar como será o decorrer do próximo ano, é sempre assim, a mesma conversa, as mesmas palavras são ditas em motivacionais, palestras, artigos e por ai vai.

Mas não se encham disso, pois temos de frizar, de falar, de comentar e fazer valer o momento de graça que é a virada de ano, isso é muito lindo, dá arrepio e nos enche de motivação, de esperanças e de fé!


É tempo de virar, não só o ano, mas nosso rumo, nossas atitudes e nosso espírito, pois, a cada virada dessas a gente passa percebendo que o cenário está mudado, é tudo diferente do que foi a um ano atrás, estamos num funil de empregabilidade, num estreitamento de oportunidades e num tremendo aperto de cultura, criatividades e de posicionamento. A coisa está mesmo mudada!


...o tempo passa e com ele caminhamos todos juntos sem parar, nossos passos pelo chão, vão ficar...

O que já passou, já era, não guardamos e nem adoramos troféis, buscamos mais, pisem conforme sua necessidade futura, pois os passos ficarão marcados na sua história e desta forma, quanto mais forte pisarem, mais tempo a marca ficará. Observem quem está acompanhando e pisando na mesma marca que você, pois são seus seguidores e precisarão disso pra pensarem seus futuros algum dia, algum dia que, talvez não estejamos mais por aqui, pelo menos de corpo presente.


...este ano, quero paz no meu coração, quem quizer seu meu amigo, que me dê a mão...

A caminhada é pesada, é dura, cheia de obstáculos, uma equipe de amigos é tudo que precisamos para facilitar nossa vitória.

PAZ - serenidade de espírito, sossego, boa harmonia e finalmente, estado de um país que náo está em guerra, essa definição sim, está acabando com o sentido da palavra PAZ, mas tenhamos essa qualidade conosco, pois, não podemos resolver os problemas do mundo, mas podemos viver melhor com quem está próximo a nós, vivamos!!


2009 - feliz, com sucesso e muita PAZ, façamos nossa parte.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

EMPRESABILIDADE

O conceito de Empregabilidade vem sendo disseminado já faz um bom tempo e também passou a ser um diferencial no mercado de trabalho ao contrário da Empresabilidade, que somente agora vem sendo propagado e vem despertando o interesse por parte dos maiores e melhores gestores, os mais ágeis e mais competentes com visão de futuro e sabedores das tendências mercadológicas.
Entende-se por Empregabilidade a busca constante do desenvolvimento de competências, para buscar ou manter um emprego atrativo, com isso o profissional passa a fazer parte da lista de talentos que o mercado busca e promove.
Empresabilidade é geralmente entendida como a capacidade das empresas de desenvolver e utilizar as competências intelectuais e técnicas de seus membros, para sustentar um posicionamento diferenciado no mercado, com isso se posiciona acima de seus concorrentes e passam a despertar interesse de talentos empregáveis, facilitando desta forma suas contratações.
É preciso ver esse assunto sobre Empresabilidade de forma ampliada; ou seja, a capacidade da empresa de atrair potenciais clientes, fornecedores, parceiros, investidores e comunidade, os chamados stakeholders; os grupos que lidam com a empresa no dia-a-dia; é aqui que se invertem os pólos: a pergunta não é (apenas), o que o profissional deve fazer para ser empregável, mas (também) o que a empresa precisa fazer para se tornar empresável perante o público acima.
Partimos da premissa de que as estratégias empresariais, além da atração e retenção de talentos e líderes, englobam também as dimensões: satisfação dos clientes que perfazem 80% da sua receita, qualificação por fornecedores parceiros e a busca de investidores potentes.
Em outras palavras, a empresa pretende se tornar uma opção preferida para fazer negócio com ela, ser “empregada” pelos players acima, facilitando desde a contratação de talentos, a retenção dos seus e transformando seu dia-a-dia em resultados positivos, podendo ampliar sua carteira de clientes, posicionar seus preços na maioria dos seguimentos e com isso vai se fortalecendo no mercado.
No segmento de telefonia celular, acredito-me que é o segmento que mais se desenvolveu e criou neste último ano, por possuir uma concorrência em igualdade de competências, passa a se destacar a que melhor sinal obtiver em determinada região, junto a isso agrega o fator qualidade de atendimento, que fez com que todas as empresas buscassem profissionais qualificados de outros segmentos, principalmente de bebidas, por possuírem um know how diferenciado, agressivo e com competitividade muita das vezes exagerada em beneficio próprio.
A implantação de programas de excelência, execução padronizada com treinamentos diversificados e focados, tanto ao pessoal interno quanto a força de vendas externa, fez com que o mercado percebesse o crescimento deste segmento e com isso o consumidor final entrou no clima desta competição, gastando mais, com facilidade de encontrar os produtos desejados e com plena consciência de que, as operadoras brigam por ele a todo o momento.
A tecnologia neste segmento chega com mais velocidade, é inovadora e desperta interesse de compra ao consumidor. As operadoras brigam pelos melhores planos, por intensa busca pela redução das reclamações nos setores cabíveis a isso, brigam pelas melhores condições nos maiores clientes, com isso esperam ganhar mais market share de volume. É o mercado!

A empresa tem que despertar no seu corpo funcional a coragem empreendedora na condução de seu negócio através das seguintes cadeias de valor agregado para o alcance de seus resultados previstos:
1. Ousar (metas), que devem ser tão agressivas quanto às oportunidades que o mercado oferece – envolver (gente) este é o principal elemento dentro de uma organização empresável – mover (mudanças e horizontes) para que não fique sempre no mesmo lugar. No setor de telefonia móvel o profissional deve se reinventar a cada 06 meses de trabalho, senão não consegue acompanhar a agilidade do segmento e nem mesmo competir com motivação e criatividade.
2. Propósito (Clareza), que faz parte da precisão no setor de acordo com a comunicação empregada no processo – pessoa (networking), muito útil para se conseguir todas as informações de mercado, principalmente as tendências e ações de seus concorrentes – processo (canalização de recursos), o mais simples e objetivo possível.
3. Competência (saber aprender), aprender e ensinar, ter humildade de perguntar e capacidade para receber um feedback, a competência não está centrada somente no resultado final e sim em todo processo para alcançar este resultado – atitude (querer aplicar), ter ambição faz parte do impulso que o profissional tem para execução, sem ele, não se consegue criar, crescer muito menos – postura (fazer acontecer), a postura profissional na maioria das vezes pode decidir, portanto é de suma importância mantê-la a altura daquilo que se deseja alcançar.
4. Conhecimento (multicultural), no mundo de telefonia móvel, esse fator tem que ser atualizado a todo instante, senão fica pra trás e perde espaço mesmo – experiência (internacional), se puder fazer algo lá fora, não perca seu tempo, é diferencial curricular – sabedoria (pessoal), principalmente para escolher sua equipe e fazer resultados com ela.
As cadeias evolutivas acima sugerem que o aprendizado contínuo se torne um hábito organizacional, necessário para alcançar o objetivo maior: crescer e expandir – com rentabilidade, de forma sustentável, o mínimo que se pode fazer pra se manter no mercado e ter essa empresabilidade exposta, não se iluda com a primeira posição no mercado, a manutenção desta depende destes “detalhezinhos” ai, simples né?
O grau de exigência que as empresas demonstram com relação a sua empresabilidade estimula os players do mercado a jogar no time dela, sendo assim, os proprietários da empresabilidade, empresas “empregáveis”, estão “com a faca e o queijo na mão”, daí a importância de se ter esse diferencial, tudo que se planeja está sujeito a acontecer com maior freqüência e menos dificuldade.
Para ser percebida, conhecida, reconhecida e recompensada como sendo diferente e não sendo “apenas mais 1” requer das empresas atitudes que as torne ou as mantenha viáveis na percepção dos seus stakeholders e principalmente na atração de clientes internos e externos. É criar forças e se tornar cada vez mais empresável no meio de atuação.
O desenvolvimento das respectivas atitudes tem sua âncora na formulação da visão de Futuro através de um Plano de Negócios, que por sua vez deve ser alimentado pela Gestão do Conhecimento. Pergunta: como vamos ganhar dinheiro com aquilo que conhecemos e que descentraliza a gestão através da criação de unidades de negócios?
A empresa dos tempos atuais deve se entender como sendo a responsável por sua carreira - crescimento e expansão com rentabilidade sustentável - e gerir suas competências de tal forma que possa multiplicar seu potencial produtivo no seu negócio central, fazer um verdadeiro drop size de suas competências, aproveitando todo potencial de seus setores e de seus profissionais, usar de benchmarking interno também é uma excelente opção!
Uma tarefa que se torna mais fácil na medida em que a Alta Direção identifica com qual time vai jogar - a partir daí passa a capacitar seu time de acordo com os planejamentos e perfil de trabalho; quais clientes vão servir, pois, com isso segmenta sua carteira de clientes e ganha poder para ações individuais de acordo com cada região e cada perfil de cliente; de quais fornecedores vai comprar, e quais investidores vai atrair.
Resta lembrar que a empresabilidade engloba a dimensão - comunidade, onde a empresa está inserida; nasce aqui a razão para combinar decisões empresariais, de cunho econômico-financeiro, com ações de responsabilidade sócio-ambiental.
Fecha se assim o “clube” dos stakeholders da empresa: pessoal – cliente – fornecedor – investidor – comunidade.

Precisamos fazer com que esse novo fato que se apresenta ao mercado seja bem estudado no segmento de telefonia móvel, pois como citei antes, é um mercado crescente e bastante agressivo em comparado com os demais, tem os melhores empregáveis e, desta forma, a viabilização da empresabilidade fica mais externa.
A atração de seus stakeholders fortalece a base da organização, motiva seus colaboradores e com isso cria-se uma rotina de excelência nas atividades, passando á normalização das atitudes e se destacando no mercado de trabalho, ganhando a briga por espaço e por posicionamento sempre.


Ivair Faria
Gerente Comercial - Distribuição de recargas Vivo
Graduação em marketing e negócios
MBA - liderança e gestão de pessoas
fishermanofthesky.blogspot.com

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

MERCADO DE TRABALHO


No nosso dia-a-dia recebemos diversos tipos de e-mails e dentre esse montante salva-se alguns, que podemos abrir, ler uma parte, ler por inteiro e algumas vezes repassar. Na maioria, temos muita gente despreocupada com o mercado e que fica perdendo tempo com gracinhas e correntes, onde enviam o dia inteiro a espera de um brinde, uma parcela financeira direcionada a menininha que está na foto e por ai vai...

Li um mail hoje que fiquei a pensar como será nosso futuro, mas vi pela mensagem, escrita a mais de 2.000 anos, que a excência do negócio não muda, o foco é o mesmo, o resultado e o posicionamento profissional vem sendo o principal objetivo desde então, ou seja, quem quer ter uma vida tranquila, precisa ter posição no mercado, ou então...ganhar na mega sena. Segue:


Falando sobre o mercado de trabalho:

Existem pessoas que realmente sabem dar respostas sábias às grandes questões sobre o mercado de trabalho. Aqui vai um pequeno resumo da entrevista com o famoso Reynold Remhn :

Pergunta: Ainda é possível ser feliz num mundo tão competitivo?

Resposta: Quanto mais conhecimento conseguimos acumular, mais entendemos que ainda falta muito para aprendermos. É por isso que sofremos. Trabalhar em excesso é como perseguir o vento. A felicidade só existe para quem souber aproveitar agora os frutos do seu trabalho.

Segunda pergunta: O profissional do futuro será um individualista?

Resposta: Pelo contrário. O azar será de quem ficar sozinho, porque se cair, não terá ninguém para ajudá-lo a levantar-se.

Terceira pergunta: Que conselho o Sr. dá aos jovens que estão entrando no mercado de trabalho?

Resposta: É melhor ser criticado pelos sábios do que ser elogiado pelos insensatos. Elogios vazios são como gravetos atirados em uma fogueira..

Quarta pergunta: E para os funcionários que tem Chefes centralizadores e perversos?

Reposta: Muitas vezes os justos são tratados pela cartilha dos injustos, mas isso passa. Por mais poderoso que alguém pareça ser, essa pessoa ainda será incapaz de dominar a própria respiração.

Última pergunta: O que é exatamente sucesso?

Resposta: É o sono gostoso. Se a fartura do rico não o deixa dormir, ele estará acumulando, ao mesmo tempo, sua riqueza e sua desgraça.

Belas e sábias respostas.

Eu só queria me desculpar pelo fato de que não existe nenhum Reynold Remhn. Eu o inventei.

Todas as respostas, embora extremamente atuais, foram retiradas de um livro escrito há 2.300 anos:

O ECLESIASTES , Bíblia.

Mas, se eu dissesse isso logo no começo, muita gente, talvez, nem tivesse
interesse em continuar me ouvindo.

Max Gheringer para a rádio CBN


Realmente é pra se pensar, mais que isso, é pra agir!


Sucesso a todos

terça-feira, 18 de novembro de 2008

O MES É MEU, COM SUCESSO O ANO INTEIRO!


..."Hoje eu vou beber para celebrar...

o aniversário de Seu Gaspar...

deve ter festa em algum lugar"...

Raul Seixas........

O mês de Novembro é pra mim o melhor mês do ano, pois é nele que me vejo com mais um ano realizado, mais um ano de vida e mais um ano de planejamento, pois a "Pretinha" do céu me deu a oportunidade de iniciar a vida com mais 365 dias sucesso, mais vida, mais alegria e conquistas.

A passagem do ano nos mostra tempo de reflexão, a passagem de aniversário nos mostra a oportunidade dada para repensarmos o que não fizemos neste ano vivido, quais oportunidade deixamos escapar, o que fizemos de errado e o que vamos fazer pra não errar novamente. De repente podemos dividir nosso ano nessas duas datas e dar maior ênfase em nosso planejamento, isso ai, mais estratégias e chance maior devido a divisão pra novas ideias.


Nós, brasileiros, vivemos em plena ilusão, sofremos, ganhamos pouco, temos crises, perdemos na maioria das vezes, é carestia, é inflação, são juros altos, falta de moradia, falta de oportunidade, e sempre sorrindo, sempre contando nossas piadas, bebendo nossa cervejinha, enfim, somos felizes, mas, venhamos e convenhamos, ninguém de nós pode se acomodar em cima destas "fajutas" desculpas para não crescermos na vida.


É nesse detalhe que analisamos os aniversariantes e podemos aferir com tamanha presteza qual é mesmo a real identificação cronológica de cada um, se é pela visão de vida ou pelo fator "enfileiramento de números", esse ai...hummmm tá por fora, não entro nessa mesmo.


Vamos comemorar mais um ano de vida, com sucesso, pois este, nunca mais voltará, se errar fica errado, se perder, perdeu, mas se ganhar, é soma para iniciar mais um ano vitorioso!


Neste eu garanto que somei, obrigado Gabriel, Bruninho e Neilma, obrigado D. Olímpia, obrigado minha Pretinha e parabéns pra mim, acho que mereço sim!


Que venha mais um ano...

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

COMUNICAÇÃO RÁPIDA E EFICIENTE, ATÉ QUE PONTO?


A comunicação perfeita é o que mais precisamos e veneramos em tempos de globalização, capacitação e organização empresarial, mas até que ponto ela pode ser benéfica devido á sua rapidez e eficiência? Até quando ela pode nos proporcionar uma atitude inteligente e voltada para nosso negócio, para nossa vida e para a vida de nossos comandados? Nossos filhos?

Acabamos de presenciar um ato de seqüestro ao vivo, em tempo real, uma magia de nossa comunicação, paramos nosso trabalho, paramos nossa vida e nossa empresa para presenciar um tiro, efetuado por um adolescente que tira a vida de uma adolescente, sua namorada de 16 anos que, talvez nem soubesse mesmo o significado do termo futuro, amor e comprometimento, mas estavam na TV e esta, que antes se esbarrava na função de entretenimento, comunicação rápida e noticias se extrema importância, era um veículo instrutivo e direcionado ao positivismo. Não que a noticia do seqüestro desta Jovem Eloá não seja importante, mas houve tamanho envolvimento da mídia que chegaram a interferir na ação policial para solucionar o caso, ação esta, falha, diga-se de passagem, talvez faltasse comunicação.

Nosso precioso veículo de comunicação de hoje, pouco se importa em nos comunicar aquilo que poderia capacitar nossa imaginação para planejarmos nosso futuro e as tendências de nosso mercado de trabalho, mas sim em se tornar o primeiro no ibope, ganhar mais uma fatia de espaço mediante seus concorrentes, foi o que aconteceu com este seqüestro que vivenciamos. Enquanto a função jornalística seria a divulgação somente de uma noticia a seu publico, que através da qualidade desta, buscaria seus ricos pontos no ibope, está se alimentando delas e dando ênfase de forma negativa, fato esse que, após o acontecido, tivemos mais uma morte de adolescente dois dias após o fato, e com certeza terão mais, pois eles querem entrar pra história, fazer acontecer porque a própria TV proporciona isso a nossos filhos, e desta forma fica mais difícil ainda educá-los, desenvolver a criatividade deles... nem pensar, não temos mais esse prazer.
A audiência mediante uma tragédia nunca deve ser maior que o senso de humanidade e respeito pelos envolvidos, talvez se isso nos servisse de lição, seria incontestável, mas não, apenas aumenta nossa preocupação!

E os abutres continuam com fome de fama, de espaço e de posicionamento, seja de qual forma for!

Ivair Faria

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

JÁ FOMOS CRIANÇAS...


"Ser feliz é olhar as coisas como elas são, sem perceber, da vida, uma falsa ilusão...é preciso você tentar, talvez alguma coisa muito nova possa lhe acontecer!"

Isso é ser criança, feliz, cada vez mais buscando isso, sem maldades, sem rancor, sem medo da vida e sem ao menos saber como será a vida.
O que sabemos é que, se depender da gente, a vida deles vai ser muito boa mesmo!
Beijos no coração e não sejam felizes nesta semana não meninada, sejam sempre felizes, sempre mesmo!

Que nossa "Pretinha" os proteja sempre e sempre, é dia dela também, vamos agradecer por todas as bênçãos!

Sucesso

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

UMA ORATÓRIA Á MINHA TURMA...


Foi um texto que escrevi pra servir como oratótia e apresentar em leitura á minha turma de pós graduados, o foco é a agilidade de nossa comunicação e com isso o avanço das mudanças repentinas de nosso ambiente de vida!


"Não se consegue viver em grupos sem comunicação de massa, consistente e com objetivo único de se conseguir algo. Os primatas sentiram essa necessidade para suas sobrevivências, então surgiram os símbolos, os gestos e simultaneamente as palavras, as escritas... como viveram sem e-mail? Como obtiveram sucesso sem telefone? Nem TV ou mesmo um radinho de pilha? Nada, mas viveram e fizeram histórias.
Hoje, com toda essa parafernália que temos em mãos, sabendo que, para obter extremo sucesso em nossa carreira, todo profissional deve ter clareza e objetividade nas suas comunicações, isso tudo para não haver falhas.
Comunico com democracia e não com imposição como eram os exemplos de nossos antepassados, mas e amanhã como vai ser? Existirá alguma outra condição para se comunicar sem atritos?
Comunico com tecnologia avançada, avançadíssima por sinal, tecnologia que não nos permite errar, ou se errar é só dar um “delete”, pois não poderá ser destruída por um simples “passar de borracha” como era feito em nossos estudos primários, cadernos manchados e borrachas sujas pelas pontas de nossas línguas, mas e amanhã? Nossos filhos terão tecnologia mais avançada que essa?
Comunico a vocês que tem crise nos Estados Unidos, que a bolsa está em queda, o dólar caiu mais um pouco e podemos saber a tendência deste investimento a cada minuto estudado, comunico que o furacão Norbert avança agora rumo ao México com ventos de 215 km por hora, isso é espetacular, podemos medir a velocidade de dentro do furacão, saber pra onde ele vai e desta forma nos prevenir de maiores danos. Como será isso amanhã? Parece que não tem como melhorar essa comunicação ai, veremos!
Posso citar noticias de todo mundo enquanto digito esse discurso e ao mesmo tempo navego por sites interessantes, ah se tivessem isso na segunda guerra mundial, se tivéssemos essas ferramentas há alguns anos atrás, com certeza a história teria outro final. Mas como não tínhamos comunico a vocês que estou encerrando meu sonhado MBA e com isso passo a ter mais um diferencial no mercado de trabalho, mas é só por enquanto, pois essa ágil comunicação e essa atormentada evolução tecnológica vão comunicando aos poucos que daqui alguns anos, poucos anos, isso não é mais diferencial de mercado, o que teremos no futuro?
Nós não tínhamos telefone em casa, mas as noticias nos chegavam em tempo, não tínhamos aparelhos celulares e nem por isso perdíamos o horário de chegar em casa, não haviam televisores em todas as casas, sobrevivemos e podemos saudar alguns bons programas de nossa infância, nós desenvolvíamos nossa criatividade, pois aprendíamos a nos virar com nossos brinquedos, éramos independentes, pois nem sempre tinha alguém pra nos ajudar, a violência era quase um mito, as vezes ouvíamos falar dela. Hoje nos preocupamos com nossos filhos, não saia de casa, não vá pra longe daqui, leve seu celular, não ande de bicicleta nas ruas movimentadas e não dê ouvidos aos estranhos, e como têm estranhos neste mundo.
Encerramos mais uma jornada, a comunicação de nossos mestres foi feita com exatidão, carisma e muito sucesso, será que o fizemos para ter mesmo um diferencial? Será que isso vai mudar mais uma ou duas vezes até o final de nossas vidas? Como nossos sucessores farão seus discursos? Falarão eles de tecnologia? De comunicação avançada? Como? Se hoje temos noticias em tempo real? Melhor não parar pra pensar, melhor mesmo é concluir o que viemos fazer aqui, comunicar que mais uma vez, vencemos, mais uma vez estamos á frente e mais uma vez saímos desta com o pensamento voltado pra o próximo investimento pessoal e profissional, qual será?"


Ivair Faria
MBA - Liderança e gestão de pessoas
Pitágoras - Campus Fadom
Divinópolis, 09 de outubro de 2008...20:58

sábado, 4 de outubro de 2008

POR ONDE VOCÊ ESTÁ OLHANDO?


Por Ivair Faria

Em viajem de retorno a minha cidade ontem a noite tive a oportunidade de registrar por foto, a imagem do retrovisor do meu carro, devido ao fato d'ele me despertar certa curiosidade com relação ao nosso modo de pensar, viver e talvez de buscar o encalce de novos rumos em nossa vida mediante aquilo que queremos ou que conquistamos.


Me surgiu esta pergunta:Por onde estou olhando? Será que firmo minha visão de vida diretamente pelo retrovisor? Será que estou apenas me buscando em realizações perante aqueles que estão "atrás" de mim, profissionalmente ou até mesmo pessoalmente? Imagino que, se ficassemos nos posicionando apenas através das pessoas que estão "atrás" de nós, isso pode ser exatamente um modo de pensar e fazer com que a gente se sinta sossegado, tranquilo e estagnado ás novas conquistas. É arriscado ficar só olhando pelo retrovisor, perdemos a visão daquilo que está á nossa frente, o carro vai bater, vai acontecer um acidente grave e dai já era...morremos!


Não é por nada que o parabrisas do carro é bem maior que o retrovisor. Isso nos mostra a necessidade de olhar pra frente e estar sempre buscando o ponto máximo da chegada, se é que ele existe, no meu modo de pensar ele não tem um "final" definido, mas creio que, de acordo com potencial explorado de cada um de nós, ele pode ser sim, limitado.

Nosso veículo seguirá conforme nós o conduzimos e de acordo com o combustível que ele leva, prepare-se, pois novos veículos estão chegando, a facilidade de aquisição é de acordo com as oportunidades que surgem para cada um de nós, elas estão ai, vão garantir seu lugar as pessoas mais aptas a capita-las, abastecer seu veículo e só olhar pra frente em busca de um caminho melhor, uma rua limpa, sem obstáculos e de fácil acesso.


Ao olhar pelo seu retrovisor e perceber retardatários pela estrada, imagine que são apenas pessoas que não tiveram ambição, que não perceberam as oportunidades que a vida oferece a cada instante e que, finalmente, poderão olhar pra frente algum dia e ver o quanto tempo perderam nesta caminhada longínqua de nossa vida pessoal e profissional, espero não ser eu, e, se for, espero não ser tarde demais pra isso!!!

Sucesso a todos...

sábado, 27 de setembro de 2008

PESSOAL X PROFISSIONAL !


Quantas vezes não acontece de estarmos numa reunião de negócios, numa reunião gerencial, de planejamento e até mesmo em ações estratégicas, onde discutimos, ouvimos e firmamos planos para o desenvolvimento mutuo de nossa organização e ao mesmo tempo nos vêm flashes de alguns acontecimentos sofridos em nossa vida pessoal, cenas pelas quais vivenciamos em família? E por quantas vezes ouvimos em salas de graduação administrativas de que temos de separar a vida pessoal da vida profissional? Inúmeras vezes e de diversas "bocas" docentes.


O ser humano é um só, caímos em armadilhas e situações que muitas vezes são difíceis de resolver, onde, á partir dessa percepção, a melhor coisa a se fazer é sermos analisados por nossos gestores, nossos líderes diretos, onde uma pergunta é posta á prova: Até que ponto compensa dar uma ajuda pessoal para recuperar o profissional?


É realmente uma balela das mais fajutas, querer e afirmar que se tem de separar o pessoal do profissional, isso não acontece em quem tem sentimentos, mesmo nos mais inteligentes executivos. Não somos máquinas, não temos um botão "power" onde se aperta e ressetamos nossa vida profissional ao entrarmos portão adentro, ou vice versa ao chegarmos à porta de nossa empresa. Vivemos de momentos, vivemos de fases, portanto, quem gerência deve conhecer cada um de seus liderados e saber qual o melhor momento que se vive para aproveitá-lo como resultado benéfico á empresa e sabermos analisar os momentos ruins de sua vida pessoal para assim, chegar próximo e dar uma alavancada nos sentimentos pessoais, em prol de resultados futuros, em prol de empresabilidade, empregabilidade e gestão de pessoas.


Não se pode brincar com a capacidade humana, nossos sentimentos são na maioria das vezes inestudáveis, é preciso proporcionar momentos de descansos mais propícios á felicidade pessoal para que o líder, o colaborador e o responsável pela gestão da organização, desta forma, renove todo seu combustível para que o planejamento profissional tenha direcionamento e proporcione melhores resultados!


Essa é a vida, esse é o mercado, isso é o "ser humano", as regras devem ser seguidas!


Ivair Faria

A ORQUESTRA E AS EMPRESAS!


Li esta materia em um site executivo e percebi que ela nos mostra uma certa comparação lógica com relação ao movimento organizacional de uma empresa, movimento este, que, levando em consideração a constante busca pela excelência, necessita sim de um maestro para reger cada musico que ali se encontra:


"Em 1998, Peter Drucker, um dos maiores gurus da Administração, já dizia que no século 21 as empresas seriam como orquestras", lembra Alexander Baer, palestrante motivacional e professor convidado da FGV Management. Segundo ele, as etapas entre a afinação dos instrumentos e o gestual do maestro contêm boas práticas nas quais organizações de todo tipo podem se espelhar. "Uma orquestra não tem uma segunda chance", frisa. Para exemplificar isso dinamicamente, Baer trouxe para suas palestras sobre o tema os músicos e o maestro, que se encarregam de ilustrar o que é dito pelo palestrante com a execução de peças bem conhecidas do público.
Em meio aos apontamentos feitos por Baer nesses eventos, constam as ferramentas de gestão e os equipamentos utilizados pelas empresas. De acordo com ele, ajustá-los à realidade do negócio é um dos primeiros passos a se tomar. "As organizações precisam 'afinar' melhor seus profissionais, instrumentos, gestão e sua comunicação", sugere. Outra recomendação é a de que se sigam com esmero normas do mercado, regimentos internos e o planejamento estratégico - tal qual fazem os músicos com suas partituras.
Ainda no que diz respeito ao planejamento estratégico, Baer acrescenta: é fundamental que toda a equipe esteja ciente do rumo futuro que a empresa quer tomar e do papel de cada funcionário para consegui-lo. "O que seria de uma orquestra se não houvesse sintonia entre os músicos e eles não soubessem que obra tocar, quando, onde, para quem e como?", compara o palestrante.
O paralelo não pára por aí. Uma orquestra é feita de músicos com talentos individuais e coletivos divididos entre os diversos naipes de instrumentos. Assim como as empresas são feitas por colaboradores com talentos individuais e coletivos, distribuídos por departamentos que precisam estar em perfeita sintonia sistêmica e estratégica, afirma Baer.
Ele também chama a atenção, entre outros elementos, para o desempenho do maestro - em alusão ao equilíbrio e à liderança pelos quais os executivos devem primar. "O maestro usa a batuta geralmente na mão direita para expressar as normas e procedimentos, enquanto a mão esquerda clama pelo amor e pela paixão, que devem estar presentes no momento certo do desenrolar da obra musical", descreve. "Razão e emoção andam juntas, inclusive dentro das empresas - isso nenhum líder pode ignorar. O mais indicado é se valer da melhor combinação entre elas", finaliza.


Vale lembrar ainda que, apesar de saber manejar os instrumentos e também ser eximio conhecedor de todas as notas musicais, o maestro regente de uma orquestra filarmônica, não toca nenhum instrumento numa apresentação de sua equipe, apenas direciona-os ao grand finale...


Sucesso a todos......................................Ivair Faria

sábado, 13 de setembro de 2008

O NÁUFRAGO - por Ivair Faria


O que poderá acontecer quando desconectamos do mundo uma pessoa que vive em prol de conectar pessoas através de encomendas via FedEx, sistema de maior eficiência de entregas no mundo?

O que pode acontecer quando temos um profissional que se encontra no último estágio da evolução social de um meio sofisticado ser levado a voltar ao tempo e se tornar um selvagem em prol da sobrevivência?

O que se faz quando chegamos ao ápode de considerarmos nosso objetivo alcançado, esperando comemorações, festividade e vibração por isso, mas quando percebemos o ambiente, vimos que nada disso é verdade e que nossa meta e nossos esforços foram em vão?

São perguntas que podemos tirar e nos faz refletir ao longo deste filme, que nos mostra muita mensagem que vivenciamos em nosso dia-a-dia seja no trabalho, seja na vida pessoal.


Um ser que vira a teoria de Maslow as avessas e inicia seu ritmo de vida se desfazendo da necessidade de auto-realização e considerando, em primeiro lugar as necessidades básicas como primordial naquele momento de sua vida. Um ser que aprende a sobreviver, sabendo que sua maior dificuldade seria "viver" para poder sair daquela ilha.

A necessidade social da pirâmide, chega no momento em que Chuck (Tom Hanks), percebe que, depois que se aprende a sobreviver fisicamente é preciso aprender como se sobrevive emocionalmente, psicologicamente e socialmente, para isso cria seu novo companheiro de ilha, o Sr. Wilson, personagem criada com o encontro de uma bola de basquete, com rosto desenhado com seu próprio sangue, este personagem passa a dividir com Chuck seus momentos de desabafos, alegrias e histórias.


Chuck venceu ao alcançar seu objetivo único, sobreviver aquela solidão e voltar pra seu trabalho de sucesso e se casar com Kelly, sua namorada e seu maior motivo de vida. Se decepcionou ao chegar, após 04 anos de solidão ao seu mundo e a sua comunidade, pois soube que o tinham enterrado simbolicamente e sua amada haveria se casado com seu dentista, formou familia, o que era o objetivo principal do personagem, decepção total.


Nos mostra que, mesmo com toda decepção na reversão comportamental de sua vitória, devemos ter sim um plano "B" e recomeçar novamente, buscar aquilo que queremos e fazer acontecer em nossa vida profissional. Ele reconquistou sua amada e o último pacote de sua terefa teria sido entregue ao destinatário, pacote este, que poderia tê-lo salvo antes, não fosse a força e a ética de sua empresa, a missão foi realizada.


Náufrago

drama - 143 min

Tom Hanks

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

ENERGIA PARA AVANÇAR


Em cada contratempo existe tanto a oportunidade de se levantar quanto a energia necessária para se elevar a um nível ainda mais alto. quanto mais você puxar a corda de um arco, mais rápido irá a flecha. Quanto mais puxarem você para trás, maior será sua energia para ir para frente.


Quando surgem, as dificuldades podem parecer devastadoras. Mesmo assim, muitas vezes no desespero, você vai sentir a energia pura, pronta, esperando ser aplicada numa direção positiva. É verdade que essa mesma energia, quando deixada livre, pode muito bem afundá-lo ainda mais. Faça a escolha, porem, a de usá-la para avançar.


Com um tombo vem também a oportunidade. Só depende de você aproveitá-la e voltar ainda mais forte que antes. O sucesso não é uma questão de quantas vezes você cai ou é derrubado, mas sim da rapidez com que se levanta. Quando você consegue se recuperar rapidamente, nota que a energia dos problemas na verdade pode ajudá-lo a avançar. Levante-se rápido e terá a chance de ver uma oportunidade tentando escapar.

Nao deixe que isso aconteça.

RALPH MARSTON

Revista Venda Mais

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

VOTAR EM QUEM E PORQUÊ?


Como as eleições municipais estão se aproximando, "perdi" um tempinho de frente a TV para ver a qualidade de nossos cadidatos, mas pelo que parece, pude perceber quantidade e pouco notei de qualificação naquilo que vi, crendo que, realmente perdi mesmo meu tempinho precioso.


As pessoas confundem situação com condição, pois se acham em situação de se candidatar na esperança de ocupar um lugarzinho na câmara municipal. Só que pra ganhar sua graninha, nunca pra fazer algo de bom em benefício de uma comunidade, ou mais, em beneficio de uma nova profissão, se é que isso realmente seria uma profissão na atual conjuntura.


Qualquer elemento que tenha uma vaga lembrança na mente da população, tipo: tivemos trigêmeos, ganhei na loteria, apareci na TV em rede nacional, meu pai era muito conhecido, sou um funcionário bem visto na prefeitura, tenho um negócio rentável na cidade, sou um facilitador de processos públicos, e por ai vai, se acha no direito de se candidatar a uma vaga na câmara municipal e tem mais, acha que vai ganhar, faz contas do total de votos, visita velhos amigos que tavez nem lembre mais o nome, vai nos bairros mais carentes, esses ai sempre serão mais carentes pra se ter certeza de que tem algo pra fazer na próxima eleição, visita escolas e por ai vai a caminhada.


Não temos, pelo vi na minha cidade, pelo menos 10% dos candidatos com futuro político, pessoas que podemos olhar, ouvir e falar, esse vale a pena, infelizmente essa é a realidade, nossa ferida é muito grande, vai demorar cicatrizar. Certamente temos pessoas capacitadas a nos dar uma excelente organização minicipal, mas essa pessoas estão fora, não participam do processo, justamente ou talvez, por não terem a menor confiança em quem vai ser seu aliado neste trabalho.

Eleições deveriam ter procedimento de recrutamento, capacitação mínima, condições de promoção dentro do segmento, "ficha limpa" como se diz na comunidade, isso mesmo, histórico limpo, pois não se faz política de um dia para o outro e sim durante o percurso de nossas vidas e de nosso caminho.

Quem sabe algum dia teremos um mega RH para recrutar e habilitar os futuros profissionais a serem escohidos pela população, com capacitação e estudo, estudo mesmo, este ai que o brasileiro tanto prega desde criancinha: "Tem qui estudadá mininu".

Dá pra acontecer...um dia, quem sabe vamos acreditar que vai !!!

terça-feira, 19 de agosto de 2008

LIÇÕES OLÍMPICAS


Ricardo Blas Jr, 22 anos, judoca da pequena ilha de guam, na oceania , ilhota tomada dos japoneses pelos americanos durante a segunda guerra mundial, com 181kg de peso e 2,13m de altura, participa da categoria peso pesado, acima de 90kg nas olimpíadas de Pequim 2008.

Não se assutem, só tamanho mesmo, perdeu as duas primeiras lutas e nem chegou a se classificar, é isso mesmo, com todo esse tamanhão, não conseguiu sequer se classificar.


É isso que acontece em grandes empresas e grandes marcas no mercado de hoje, pensam que, por serem grandes, tomarão conta do mercado pela vida toda, enganam-se, pois, hoje em dia não ganha o maior e sim o mais ágil, quem tem agilidade de se atualizar, reter os melhores profissionais, pensar grande e fazer das tendências uma realidade é quem vai prosperar sempre.


Não pense em ser grande para assustar seus concorrentes, pense em ser ágil e inovador, isso assusta e faz com que o respeito se destaque e o posicionamento seja pelo alto, com isso, sua empresa terá empresabilidade, estará atraindo os melhores para sua equipe, tudo é menos difícil para se chegar a uma conquista.


Pessoalmente, não haja como o Blas, tenha maior agilidade e não maior tamanho, não assunta mais, invista-se em conhecimento constante, seja rápido e tenha agilidade, isso sim assusta!


Sucesso sempre campeão!

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

A ÚLTIMA DAS GUERRAS


Em plena segunda guerra mundial, um grupo de fuzileiros foi capturado pelos japoneses e aprisionados num campo, onde, ao longo do tempo que ficaram por ali, descobriram que a guerra só estava começando, a verdadeira guerra era a sobrevivência.


Equipe unida, comprometida, com dois interesses em comum, onde se pairava a dúvida e surgia uma divisão entre os líderes, onde, a partir do momento que se sucumbiram a percas de talentos e erros diversos, ficou comprovado que o grande valor a ser observado entre eles era o valor humano, portanto a sobrevivência passou a ser o foco de todos.


O capitão Ernest, assumindo a ausencia do coronel Mclean, assassinado brutalmente pelos japoneses, descobriu nos ensinamentos uma forma de acupar a mente, e se preparar para um possível futuro fora da atual condição, com isso foi fazendo sua história e direcionando os liderados no dia-a-dia, a terem algo a se acupar que não os trabalhos forçados impostos pelos Japoneses na construção de uma via-ferrea de 420 km de extensão e as doenças surgidas na mata.


Alguns soldados davam a vida para proteger o restante da equipe, outros, como o soldado Yanke, que se tornou um eximio negociador e aproveitando de seu Net Work em seu mercado de atuação conseguia se dar bem entre os demais.


A união maior da equipe se deu no ato de um erro de estratégia cometido pelo major Ian, onde, após capturados, só não teve a cabeça degolada devido a humildade e ao impulso do soldado Dusty, que se entregou e trocou de lugar com seu líder para não enfraquecer a equipe.


Alguns foram mortos em ataques de seu próprio país ao campo de concentração, onde puderam realmente chegar a reflexão sobre tudo que haviam passado nesta guerra, trabalho forçado, união, traição, força de vontade, estratégias, torturas, percas, ensinamentos e apresentações teatrólogas, fome e sede, onde a pegunta continuou no ar e na mente daqueles que ali viveram:

Quem será nosso verdadeiro inimigo?

Qual será a próxima batalha a ser encarada?


"A verdadeira história da luta pela sobrevivência e a coragem de perdoar!"


A última das guerras

David L. Cunningham

sábado, 2 de agosto de 2008

QUANDO PERDER É O MELHOR NEGÓCIO!

"As brigas que ganhei, nenhum troféu, como lembrança, pra casa eu levei; as brigas que perdi, essas sim, eu nunca esqueci, eu nunca esqueci" .........................Patu Fu.
Com isso, podemos refletir e imaginar o quanto temos de vivenciar uma vitória em cima de erros cometidos, o que nos leva a aprender e tirar lições de todos os erros que cometemos.
Recentemente vimos a seleção brasileria masculina de volei que a muito não sabia o que era o gostinho de derrota, prestes a entrarem na maior competição esportiva da terra, e se imaginando ser imbatíveis, conheceram a derrota, alguém lembrou a eles que não eram assim tão bons o quanto imaginavam, ou pelo menos poderiam perder algum dia, perderam na hora certa, receberam um "não" numa grande negociação se levarmos isso pro lado mercadológico.
Essa derrota, esse jogo não ganho e esse "não" mercadológico recebido numa negociação fez com que repensassem sobre a equipe, sobre as estratégias e sobre como reagirem mediante algo não esperado, precisamos rever os conceitos.
Não sabemos se vão sair das olimpiadas em Beijim 2008 com a desejada e disputada medalha de ouro, mas sabemos muito bem que as negociações serão diferenciadas, agora com o pé no chão e sabendo que não são detentores do único produto no mercado, existem concorrentes e são bons, cheios de surpresas e podem aparecer a qualquer momento, pois estão se preparando cada vez mais.
Ergam-se e aprendam com os erros, não o tornem a fazer, repetir é besteira, aprender é o caminho, vamos vencer e vencer com um novo espírito, um novo time e um novo argumento!

Sucesso a todos!!

quinta-feira, 31 de julho de 2008

JÁ PENSOU QUAL MOURÃO VOCÊ É?


Tive o prazer de participar da construção de uma cerca de arame farpado lá na roça do saudoso Sr. José Estácio, grande homem. Além das dores nas mãos e nas costas pude observar alguns detalhes muito importantes neste novo desafio.

Uma cerca é feita de mourões mais fortes e mais grossos, que ficam como esticadores, seguram os arames e os esticam com precisão, então, estes mourões são estrategicamente colocados nas esquinas da cerca e em vãos não muito próximos um do outro. Entre esses mourões fortes e firmes, se coloca os mais fracos, estes, servem apenas para segurar o arame e não deixar que se embaracem, muito interessante.

Somos assim em nosso trabalho, em nossa familia, pois existem pessoas mais fortes que seguram a barra, são resistentes ás farpas do dia-a-dia e sustentam os outros para que continuem a viver anonimamente, sendo apenas um ser qualquer que nenhuma falta faria, caso o derrubassem.

Os mourões esticadores, recebem os grampos maiores, as ferramentas que esticam os arames e regulam a flexibilidade dos mesmos, os mourões comuns podem ser trocados a cada queimada, a cada derrubada, hora por gado, ora por deteorização do mesmo, seu cerno é inexistente, só tem casca e apodrece fácil, que vida mais comum.


O bom é nos prepararmos sempre, nos instruirmos e auto motivarmos, sermos os melhores e nos envolvermos no objetivo e no negócio de nossa profissão, criarmos resitência de um mourão esticador, força e sustentação pra superarmos qualquer queimada que possa surgir, superarmos o tempo e fazer disso um aprendizado eterno criar know how, aprender e ensinar!


Busque o canto de sua cerca, estique seus arames e faça sua parte, vamos crescer!


Obrigado e sucesso.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

SOFRIMENTO...DÁ PRA SUPERAR?


Sofrimento é qualquer experiência aversiva e sua emoção negativa correspondente. Ele é geralmente associado com dor e infelicidade, mas qualquer condição pode gerar sofrimento se ela for subjetivamente aversiva. Pode-se incluir felicidade ou prazer neste sentimento, pode-se leva-lo para o lado da sorte (azar?) ou pelo lado do cançasso, ninguém sabe mesmo qual é a verdadeira ação que venha a provocar tal sentimento, uns procuram por ele, outros não querem saber nem de longe deste temido sentimento até que algum dia descobrem estar totalmente envolvido nele.

Raiva, tédio, dor, enfim, são muitos os que provocam o sofrimento, são inumeras situações que podem se chegar a tal condição. Quem pode evitar? No meu modo de pensar, só Ele, com todo seu poder e conforto.

Costumo dizer que, os momentos felizes são muito poderosos, e podem muito bem nos confortar na dor do sofrimento. É como se cada um deles fossem guardados em uma espécie de "balaio" imaginário, isso mesmo, vamos enchendo esse "balaio" com cada um dos momentos felizes que vivemos, com isso, nossa reserva de combustível vai se enchendo e fica totalmente adequada a ser usada em cada um dos momentos tristes, na hora da dor.

È lembrando de cada um dos momentos felizes que temos condição de nos superarmos nas horas tristes, nestes momentos de sofrimentos, terríveis então.

Por isso mesmo temos de encher nosso "balainho" sempre, vamos viver pra felicidade, pois ela realmente não existe, o que existem são momentos felizes e deles, façamos nosso cobustível de superação, cuidado pra não gastar tudo de uma só vez...cuidado também pra não se esquecer de renovar sempre seu combustível, senão o coração não aguenta!!!


Busquemos os momentos felizes...sempre!

domingo, 6 de julho de 2008

MOTIVOANDO ---- Ivair Faria


PORQUE FICAR SOZINHO?



O ser humano vive em grupos, grupos que dividem o mesmo espaço e todo grupo que se propõe a esta divisão, ou seja, que se propõe as trocas, constrói as suas próprias culturas, caracterizada por usos e costumes de tal forma que todos, em comum acordo, aderem a estas outras práticas autorizadas pelo próprio grupo. Organizam-se para que haja, no mínimo, a possibilidade de viverem juntos onde habitam.

O homem foi criado pra viver em grupos, em sociedades, desenvolver-se e procriar sempre formando uma comunidade com um principio em comum. Indiferente de qualquer animal, o ser humano é dependente de outro ser humano pra prosseguir sua caminhada, com isso, desde sua criação, é preciso trabalhar em equipe pra se obter vantagens e resultados positivos.

Ainda existem seres que insistem em não trabalhar em equipe, em manterem-se únicos e solitários em seus afazeres, nunca compartilham, nunca dividem, nunca buscam opiniões nem ao menos procuram se conciliar com alguém. Isso faz com que o ódio, sentimento mais próximo do amor passe a tomar conta e no mais tardar, pode se transformar em ruínas, sem resultados, sem amizades, sem equipes, enfim, sem nenhuma condição de crescimento pessoal e profissional.

Olhe sempre ao seu redor, veja como está o seu banco, certifique-se de que tem sempre alguém sentado ao seu lado, não o deixe vazio, busque apoio, busque amor, busque felicidade, busque crescimento, esteja sempre dividindo com outras pessoas, aquilo que quer aprender e ensinar, mas saiba escolher bem quem vai sentar-se ao seu lado e fazer de seu caminho o caminho dele. Nosso propósito hoje é caminhar em grupo, sentar com alguém e trabalhar sempre em equipe, isso traz crescimento, motiva e faz provocar resultados positivos, sempre!

“Não tenha medo de buscar a felicidade, sente-se sempre com alguém e divida suas opiniões, suas idéias e seus planos, faça com que o seu banco esteja sempre a disposição para receber boas companhias, boas amizades e pessoas a quem se ama, meu Pai sempre se dispor a deixar seu lado vago pra receber minha pessoa, com isso aprendemos juntos e tenho agradecido insistentemente por isso!”


Obrigado e sucesso a todos!

terça-feira, 1 de julho de 2008

O RESGATE DE UM CAMPEÃO


Este filme nos mostra a vida corrida e concorrida de um jornalista, que quase sem espaço na mídia, mas filho de um esportista de renome no mundo esportivo, descobre um ex-boxiador que se intitula Bob Stterfield, mas na verdade, o que este sigelo andarilho de rua fazia era simplesmente usar de um personagem, então famoso em sua época para conquistar as pessoas e conseguir sobre carregar seu próprio ego.

O jornalista Erik então se vê diante de sua salvação, o que realmente aconteceu, pois ao lançar um excelente reportagem de revista (capa) começa a ser reconhecido no mundo de seu segmento, onde a partir da descoberta da suposta falsa, acaba vivenciando tudo que o então Bob, vinha buscando já ha alguns anos, seu reconhecimento e uma vida de motivação e suposta superação.

Aprende-se então que é possível viver de encantos e conquistar pessoas mediante aquilo que não chegamos a ser, é possível conquistar respeito e admiração, principalmente dos filhos, como houve com o jornalista, dizendo e propagando fatos que encham os olhos de quem nos interessa.

Difícil mesmo é fazer de nossa vida um exemplo lógico e claro de quem viveu pra vencer, liderar, conquistar e ser reconhecido pelas suas atitudes.

Então, este filme nos leva a meditação e analise constante de que, podemos enfrentar nosso eu interno e fazer nossa história de vida diante da ética e da moral que nos foi conduzido, principalmente por nossos líderes, e também nos retrata que temos condição sim de nos auto-superar a cada instante, basta acreditar naquilo que podemos fazer e dar norte a nossas atitudes, mas, em contrapartida, podemos, como a maioria dos brasileiros o fazem, viver na condição de ilusão, se agarrarmos em falsidades para tirar proveito de cada situação e mostrar a todos que o que mais interessa é o sucesso, mesmo que virtual.

São dois personagens que se envolveram em igualdade de situação, onde se preparam para não ficarem ocultos,e, mesmo vivendo nas ruas, Bob, personagem do excelente Samuel L. Jackson, tinha um motivo pra viver e vencer, pois, sem saber que o "proximo golpe" viria, mas não sabia-se qual hora e nem mesmo de onde viria, o que importava mesmo foi o que aconteceu, pois o jornalista Erick o apoiou quando a contagem já estava em aberto e o campeão estava no chão!

Erick errou, mas inocentemente se infiltrou numa história, onde a ilusão e o interesse superou a investigação, foi iludido, mas teve como reverter a situação, pois o conteudo da história tinha uma condição igual á realidade em que vivemos, isso foi reconhecido.


O resgate de um campeão.

Drama

2007 - com Samuel L. Jackson

domingo, 15 de junho de 2008

RÁDIO FAVELA - UMA ONDA NO AR !


É como uma organização de peso, eficiência em todos os detalhes, posicionamento, funções, equipe, motivação, agilidade nas ações e estratégias e comunicação eficaz, mesmo sem nenhuma tecnologia de ponta, esse é o trabalho de uma favela com relação ao seu ambiente interno, local onde se passa o filme Rádio Favela, a cidade? Belo Horizonte.

O jovem Jorge Henrique vivenciando um racismo em evidência no país, no estado e na sua própria escola, estrategicamente resolve montar, com seus amigos, uma rádio pirata para relatar fatos, trazer conhecimentos e falar a linguagem de sua comunidade, com isso conquista seu público e ganha poder absoluto sobre seus ouvintes, sua comunidade.

A rádio é criada com a ética do morro e principios familiares, seu rumo é tomado de acordo com o desenvolvimento de seus trabalhos e de sua audiência, solicitações em prol do morro são feitas a todo instante, as alterações de poder se desenrolam de acordo com as necessidades da favela, dos trabalhos de conscientização e da continuidade do projeto de comunicação e informação. As informações são eficientes e tem como fundamento o norte para aqueles que estão em situação de bandidagem e drogas, ocupam as mentes que ora estão por tendencias á vida bandida do morro.

A política, a polícia e algumas personalidades tentam usar do poder imposto para destruir a Rádio Favela, é uma ameaça ao movimento e pode causar transtorno direto ao processo anti-social que, não só em BH, mas se aflora pelos cantos do país.

A Rádio Favela, exerce poder de acordo com as éticas criadas e vividas, principalmente colocadas pelo então líder, orientador, motivador e conselheiro do principal funcionário desta empresa, a mãe de Jorge Henrique, que mesmo rígida a seus valores, não deixou de apoiar seu filho nesta projeção de vida.

O Poder da força não se sobrepõe ao poder da ética, a moral supera o crime em prol da comunidade, a rádio vende felicidade além de informação, tem crédibilidade entre seus clientes e fidelização quanto a ser ouvinte acido, todos os dias. O poder do carisma, da informação do apoio e da liderança conquistada é o principal fator que massageia o ego da favela, trabalho o ambiente interno, faz do endomarketing uma arma forte, usa do network conquistado na hora certa e com isso a imagem externa do morro pode se transformar naquilo que uma minoria lutou para ser, uma imagem positiva e sempre mostrando que ainda tem jeito, que o problema na maioria das vezes vem do pessoal do asfalto, da elite que usa destes "pobres" seres humanos para enriquecer ilicitamente!

Rádio Favela - Uma Onda no Ar

Gênero - Drama

Ano - 2002

Belo Horizonte - MG

Helvécio Ratton

segunda-feira, 2 de junho de 2008

JUNHO, O MES DO GABRIEL!


Aliás, este cara não tem mesmo um mes definido, depois que apareceu..tomou conta, são longos 12 anos, fosse um scoth era maravilhosamente excepcional aos mais rigorosos paladares, mas como é um pré adolecente, está pra mim, o que entendo como orgulho de ser. É meu amigão, que me traz energia pra viver, pra lutar, sonhar e buscar cada vez mais o topo, por isso mesmo são gloriosos 12 anos de vida, que se tornarão muitos e muitos, pois minhas forças serão eternas pra buscar isso.

Amigão, que este seja seu verdadeiro ano de virada, que seu caminho agora se norteie, pegue a estrada da vida e transforme sua personalidade, comece a direciona-lo para o tão almejado preparo de vida, e que Deus me dê muita força para que eu possa estar junto de você e ter certeza de que isso vai acontecer sim, vai fluir e vai ter sentimento.

Que nossa pretinha te proteja, que eu possa fazer por você o que meu Pai fez por mim, dar dignidade, prazer de viver, força para chegar e chegar bem alto e que você possa nos proporcionar muito mais que alegria, mas que possa fazer parte de nossa familia por "n" anos, nunca se preocupe se por acaso vier a cair algum dia, pois aprendemos com nossos tombos, nossos erros são nossos maiores professores, e eu estarei sempre por perto para te dar a mão e fazer com que você levante mais uma vez, e mais uma vez você de erga elegantemente e parta para sua vitória, você é isso cara, é paz, é energia, criança doce e feliz, adolecente de futuro, que ama, que sorri e que faz sorrir. Parabéns....sempre!

Bejos de quem o ama muito!

segunda-feira, 26 de maio de 2008

PAIXÃO...O QUE É PAIXÃO?

Sentimento excessivo, amor ardente, afeto violento e por ai vai, existem muitas definições para este sentimento, mas só quem tem sabe realmente o que isso significa! Essa foto ai é uma prova imensa de minha paixão, é minha vida, minha razão de viver, amo vocês caras!!!!


segunda-feira, 19 de maio de 2008

MUSICA DO CORAÇÃO

Este filme me trouxe a realidade de nosso tão ambicioso querer, pelo menos a maioria busca resistência e pocisionamento, liderança e conquistas. A sra Roberta Guaspari, nos remete a soltar nosso potencial interno, em persistência, talento, superação emocional e de obstáculos, tanto no pessoal quanto no profissional, ela superou as mesmices da época, mostrando inovações, buscando mudanças, quebrando paradigmas.
Ela deixa claro que liderança é conquistada, que um líder de verdade deve buscar e criar novos líderes, deve descobrir talentos e retê-los na equipe, que treinamento nunca é demais, ela mostra que mesmo vencendo, deve-se levar sua equipe á emoção, á motivação e a preparação constante. Mostrou que mesmo estando por cima, devemos estar preparados para resistir a qualquer coisa, a qualquer custo, devemos ser pacientes, ter pulso forte e persistir.
Os talentos individuais devem ser lapidados para o trabalho em equipe, a disciplina é vital, o emocional envolve todos e chama-nos a novos desafios. Ela acreditou, primeiro em seu potencial, depois no potencial da equipe, manteve seu network e fez uso dele na hora certa, na hora exata.
A Sra Roberta teve o controle da situação, mesmo que ninguém acreditasse, ela fez de uma turma de alunos, uma equipe de talentos, mas se manteve surda áqueles que traziam pessimismo, aos que não acreditavam, assim treinou para o espetáculo final.
Preparação nos vestiários, envolveu líderes dentre sua equipe de talentos, brincou com o emocional, mostrou planejamento estratégico e saiu pra o Grand Finale!
Do coração, música; EUA; 1999; Wes Craven - The music of my heart.

E tudo começou com ele...


Existem várias profissões que já estão extintas devido á tanta modernização, a tanta tecnologia e a muita vontade de se auto-diferenciar dos demais, isso é buscar sempre mais, querer mais e saber que somente assim pode-se haver um posicionamento melhor em nosso tão concorrido mercado de trabalho.
Hoje, muitas profissões se extinguiram, quem se lembra dos "caxeiros viajantes", "armadores", "engraxates" e por ai vai, quem pagou caro pra fazer um curso de datilografia, sabe muito bem que hoje em dia, quem fez o tal cobol I e II podia muto bem zombar d'um simples catilógrafo, mas seu curso também não vale nada!
Surgiram as novidades, os famosos "personal's", é a onda do momento:
_ Personal styling
_ Personal Emotion
_ Personal Trainning
_ Personal Coach
_ E tem até Personal Dog...
Mas isso é simplesmente uma reinvenção daquilo que já existia, é apenas um relançamento de marca, quem cria e consegue implantar, faz sucesso, já tem uma profissão. Dentre as profissões citadas temos o personal coach, que hoje é praticado pelos expert's em psicologia, só que esta profissão é muito antiga, já vem desde os primordios.
Digo isso de cadeira, pois tive um dos melhores. Pra ilustar, quem deseja ser o bam bam bam em escrever, pode ter como personal coach um Millor, ou quem sabe um Fernando Veríssimo, agora, quem quer ser um atleta exemplar e de sucesso pode contratar o Zico e se quizer fazer muitos gols é só pagar ao Romário pra ser seu personal coach e por ai vai.
Meu personal coach me ensinou tudo, me deu o que tenho hoje, ele me ensinou a andar, correr, cair e levantar, as bicicletas antigas, vichhh como eram pesadas, mas mesmo assim aprendi, joguei bola, ele me incentivou, aprendi a ler, escrever, não por ele, mas através dele, aprendi a gostar, aprendi a acreditar em mim, em ter fé em alguma coisa, aprendi acreditar que algum dia seria alguém neste mundão de Deus, me lembro como se fosse hoje quando ele me colocou naquela loja pra ser um mero balconista, mal sabiamos que vendedor sairia dali, acho que nem ele mesmo acreditava nisso, apenas apostou em seu discípulo.
Das melhores lições que ele me passou, veio a pescaria, meu caro fisherman, pescamos e como pescamos, era divertido, mas no fundo, bem no fundo de tudo isso, teria algo pra ser retratado e lecionado no meu mundo de hoje. Hoje bem sei que, pra pescar se deve ter isca, deve sair cedo, bem cedo de casa, senão se perde o pesqueiro, deve-se te uma ceva, é com ela que preservamos e mantemos a fidelidade de nossos peixes. Mas, ele sempre dizia, pra pescar peixe grande deve usar anzol grande, bem grande; pra pescar peixes pequenos, fique com os anzois pequenos, pois nem todo poço tem peixe grande, só os mais fundos, os mais limpos, e se for muito fundo temos de colocar linha grande.
Quando se pega um peixe grande, a linha deve ser forte, a vara bem flexível, o molinete deve ser solto, pois quando a briga é boa, quando o peixe é brigador, devemos soltar linha, mais linhas, até que ele se canse e se torne alvo fácil, ele vai plainar na água, quando isso acontecer, pode pegar, o peixe é seu, assim falava meu caro fisherman!
Quanto aos pesqueiros, não se importava quem passava por ali, só estavam cevando os peixes pra gente, pois realmente não sabiam como se pegavam os peixes dali, só a gente mesmo conhecia, pois estavamos sempre de olho em nossos peixes, não era simplesmente chegar e jogar a linha pra pegar, tinhamos nossos truques.
Meus negócios são assim, mes peixes, meus clientes, nosso poço, o mercado, os outros pescadores, hummm... meus concorrentes, ainda têm muito a aprender, pois meus pesqueiros são bem cevados e ninguém sabe pescar neles, apenas valorizam meus pescados, engordam eles!
Esse foi um relato de meu personal coach, o melhor que pudia contratar, me deu um pouco de tudo e suguei sabedoria o mais que pude para minha formação, hoje só me restam lembranças, pois nosso contrato venceu em 24 de março de 2006, foi um longo contrato, duradouro e proveitoso, mas Deus o levou, sim, levou pra junto dele, pois acho que estava mesmo precisando de bons fisherman's lá no céu, os diversos peixes que lá estão, lhe darão trabalho, sei disso, mas quem é um Dourado, um Piau ou mesmo uma boa Curimatã pra brigar com meu saudoso fisherman, hahahaha pesque todas meu personal, e mesmo agradecendo por tudo, mais uma vez lhe peço sua benção, meu Pai!