COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

quinta-feira, 31 de julho de 2008

JÁ PENSOU QUAL MOURÃO VOCÊ É?


Tive o prazer de participar da construção de uma cerca de arame farpado lá na roça do saudoso Sr. José Estácio, grande homem. Além das dores nas mãos e nas costas pude observar alguns detalhes muito importantes neste novo desafio.

Uma cerca é feita de mourões mais fortes e mais grossos, que ficam como esticadores, seguram os arames e os esticam com precisão, então, estes mourões são estrategicamente colocados nas esquinas da cerca e em vãos não muito próximos um do outro. Entre esses mourões fortes e firmes, se coloca os mais fracos, estes, servem apenas para segurar o arame e não deixar que se embaracem, muito interessante.

Somos assim em nosso trabalho, em nossa familia, pois existem pessoas mais fortes que seguram a barra, são resistentes ás farpas do dia-a-dia e sustentam os outros para que continuem a viver anonimamente, sendo apenas um ser qualquer que nenhuma falta faria, caso o derrubassem.

Os mourões esticadores, recebem os grampos maiores, as ferramentas que esticam os arames e regulam a flexibilidade dos mesmos, os mourões comuns podem ser trocados a cada queimada, a cada derrubada, hora por gado, ora por deteorização do mesmo, seu cerno é inexistente, só tem casca e apodrece fácil, que vida mais comum.


O bom é nos prepararmos sempre, nos instruirmos e auto motivarmos, sermos os melhores e nos envolvermos no objetivo e no negócio de nossa profissão, criarmos resitência de um mourão esticador, força e sustentação pra superarmos qualquer queimada que possa surgir, superarmos o tempo e fazer disso um aprendizado eterno criar know how, aprender e ensinar!


Busque o canto de sua cerca, estique seus arames e faça sua parte, vamos crescer!


Obrigado e sucesso.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

SOFRIMENTO...DÁ PRA SUPERAR?


Sofrimento é qualquer experiência aversiva e sua emoção negativa correspondente. Ele é geralmente associado com dor e infelicidade, mas qualquer condição pode gerar sofrimento se ela for subjetivamente aversiva. Pode-se incluir felicidade ou prazer neste sentimento, pode-se leva-lo para o lado da sorte (azar?) ou pelo lado do cançasso, ninguém sabe mesmo qual é a verdadeira ação que venha a provocar tal sentimento, uns procuram por ele, outros não querem saber nem de longe deste temido sentimento até que algum dia descobrem estar totalmente envolvido nele.

Raiva, tédio, dor, enfim, são muitos os que provocam o sofrimento, são inumeras situações que podem se chegar a tal condição. Quem pode evitar? No meu modo de pensar, só Ele, com todo seu poder e conforto.

Costumo dizer que, os momentos felizes são muito poderosos, e podem muito bem nos confortar na dor do sofrimento. É como se cada um deles fossem guardados em uma espécie de "balaio" imaginário, isso mesmo, vamos enchendo esse "balaio" com cada um dos momentos felizes que vivemos, com isso, nossa reserva de combustível vai se enchendo e fica totalmente adequada a ser usada em cada um dos momentos tristes, na hora da dor.

È lembrando de cada um dos momentos felizes que temos condição de nos superarmos nas horas tristes, nestes momentos de sofrimentos, terríveis então.

Por isso mesmo temos de encher nosso "balainho" sempre, vamos viver pra felicidade, pois ela realmente não existe, o que existem são momentos felizes e deles, façamos nosso cobustível de superação, cuidado pra não gastar tudo de uma só vez...cuidado também pra não se esquecer de renovar sempre seu combustível, senão o coração não aguenta!!!


Busquemos os momentos felizes...sempre!

domingo, 6 de julho de 2008

MOTIVOANDO ---- Ivair Faria


PORQUE FICAR SOZINHO?



O ser humano vive em grupos, grupos que dividem o mesmo espaço e todo grupo que se propõe a esta divisão, ou seja, que se propõe as trocas, constrói as suas próprias culturas, caracterizada por usos e costumes de tal forma que todos, em comum acordo, aderem a estas outras práticas autorizadas pelo próprio grupo. Organizam-se para que haja, no mínimo, a possibilidade de viverem juntos onde habitam.

O homem foi criado pra viver em grupos, em sociedades, desenvolver-se e procriar sempre formando uma comunidade com um principio em comum. Indiferente de qualquer animal, o ser humano é dependente de outro ser humano pra prosseguir sua caminhada, com isso, desde sua criação, é preciso trabalhar em equipe pra se obter vantagens e resultados positivos.

Ainda existem seres que insistem em não trabalhar em equipe, em manterem-se únicos e solitários em seus afazeres, nunca compartilham, nunca dividem, nunca buscam opiniões nem ao menos procuram se conciliar com alguém. Isso faz com que o ódio, sentimento mais próximo do amor passe a tomar conta e no mais tardar, pode se transformar em ruínas, sem resultados, sem amizades, sem equipes, enfim, sem nenhuma condição de crescimento pessoal e profissional.

Olhe sempre ao seu redor, veja como está o seu banco, certifique-se de que tem sempre alguém sentado ao seu lado, não o deixe vazio, busque apoio, busque amor, busque felicidade, busque crescimento, esteja sempre dividindo com outras pessoas, aquilo que quer aprender e ensinar, mas saiba escolher bem quem vai sentar-se ao seu lado e fazer de seu caminho o caminho dele. Nosso propósito hoje é caminhar em grupo, sentar com alguém e trabalhar sempre em equipe, isso traz crescimento, motiva e faz provocar resultados positivos, sempre!

“Não tenha medo de buscar a felicidade, sente-se sempre com alguém e divida suas opiniões, suas idéias e seus planos, faça com que o seu banco esteja sempre a disposição para receber boas companhias, boas amizades e pessoas a quem se ama, meu Pai sempre se dispor a deixar seu lado vago pra receber minha pessoa, com isso aprendemos juntos e tenho agradecido insistentemente por isso!”


Obrigado e sucesso a todos!

terça-feira, 1 de julho de 2008

O RESGATE DE UM CAMPEÃO


Este filme nos mostra a vida corrida e concorrida de um jornalista, que quase sem espaço na mídia, mas filho de um esportista de renome no mundo esportivo, descobre um ex-boxiador que se intitula Bob Stterfield, mas na verdade, o que este sigelo andarilho de rua fazia era simplesmente usar de um personagem, então famoso em sua época para conquistar as pessoas e conseguir sobre carregar seu próprio ego.

O jornalista Erik então se vê diante de sua salvação, o que realmente aconteceu, pois ao lançar um excelente reportagem de revista (capa) começa a ser reconhecido no mundo de seu segmento, onde a partir da descoberta da suposta falsa, acaba vivenciando tudo que o então Bob, vinha buscando já ha alguns anos, seu reconhecimento e uma vida de motivação e suposta superação.

Aprende-se então que é possível viver de encantos e conquistar pessoas mediante aquilo que não chegamos a ser, é possível conquistar respeito e admiração, principalmente dos filhos, como houve com o jornalista, dizendo e propagando fatos que encham os olhos de quem nos interessa.

Difícil mesmo é fazer de nossa vida um exemplo lógico e claro de quem viveu pra vencer, liderar, conquistar e ser reconhecido pelas suas atitudes.

Então, este filme nos leva a meditação e analise constante de que, podemos enfrentar nosso eu interno e fazer nossa história de vida diante da ética e da moral que nos foi conduzido, principalmente por nossos líderes, e também nos retrata que temos condição sim de nos auto-superar a cada instante, basta acreditar naquilo que podemos fazer e dar norte a nossas atitudes, mas, em contrapartida, podemos, como a maioria dos brasileiros o fazem, viver na condição de ilusão, se agarrarmos em falsidades para tirar proveito de cada situação e mostrar a todos que o que mais interessa é o sucesso, mesmo que virtual.

São dois personagens que se envolveram em igualdade de situação, onde se preparam para não ficarem ocultos,e, mesmo vivendo nas ruas, Bob, personagem do excelente Samuel L. Jackson, tinha um motivo pra viver e vencer, pois, sem saber que o "proximo golpe" viria, mas não sabia-se qual hora e nem mesmo de onde viria, o que importava mesmo foi o que aconteceu, pois o jornalista Erick o apoiou quando a contagem já estava em aberto e o campeão estava no chão!

Erick errou, mas inocentemente se infiltrou numa história, onde a ilusão e o interesse superou a investigação, foi iludido, mas teve como reverter a situação, pois o conteudo da história tinha uma condição igual á realidade em que vivemos, isso foi reconhecido.


O resgate de um campeão.

Drama

2007 - com Samuel L. Jackson