COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

EMPRESABILIDADE

O conceito de Empregabilidade vem sendo disseminado já faz um bom tempo e também passou a ser um diferencial no mercado de trabalho ao contrário da Empresabilidade, que somente agora vem sendo propagado e vem despertando o interesse por parte dos maiores e melhores gestores, os mais ágeis e mais competentes com visão de futuro e sabedores das tendências mercadológicas.
Entende-se por Empregabilidade a busca constante do desenvolvimento de competências, para buscar ou manter um emprego atrativo, com isso o profissional passa a fazer parte da lista de talentos que o mercado busca e promove.
Empresabilidade é geralmente entendida como a capacidade das empresas de desenvolver e utilizar as competências intelectuais e técnicas de seus membros, para sustentar um posicionamento diferenciado no mercado, com isso se posiciona acima de seus concorrentes e passam a despertar interesse de talentos empregáveis, facilitando desta forma suas contratações.
É preciso ver esse assunto sobre Empresabilidade de forma ampliada; ou seja, a capacidade da empresa de atrair potenciais clientes, fornecedores, parceiros, investidores e comunidade, os chamados stakeholders; os grupos que lidam com a empresa no dia-a-dia; é aqui que se invertem os pólos: a pergunta não é (apenas), o que o profissional deve fazer para ser empregável, mas (também) o que a empresa precisa fazer para se tornar empresável perante o público acima.
Partimos da premissa de que as estratégias empresariais, além da atração e retenção de talentos e líderes, englobam também as dimensões: satisfação dos clientes que perfazem 80% da sua receita, qualificação por fornecedores parceiros e a busca de investidores potentes.
Em outras palavras, a empresa pretende se tornar uma opção preferida para fazer negócio com ela, ser “empregada” pelos players acima, facilitando desde a contratação de talentos, a retenção dos seus e transformando seu dia-a-dia em resultados positivos, podendo ampliar sua carteira de clientes, posicionar seus preços na maioria dos seguimentos e com isso vai se fortalecendo no mercado.
No segmento de telefonia celular, acredito-me que é o segmento que mais se desenvolveu e criou neste último ano, por possuir uma concorrência em igualdade de competências, passa a se destacar a que melhor sinal obtiver em determinada região, junto a isso agrega o fator qualidade de atendimento, que fez com que todas as empresas buscassem profissionais qualificados de outros segmentos, principalmente de bebidas, por possuírem um know how diferenciado, agressivo e com competitividade muita das vezes exagerada em beneficio próprio.
A implantação de programas de excelência, execução padronizada com treinamentos diversificados e focados, tanto ao pessoal interno quanto a força de vendas externa, fez com que o mercado percebesse o crescimento deste segmento e com isso o consumidor final entrou no clima desta competição, gastando mais, com facilidade de encontrar os produtos desejados e com plena consciência de que, as operadoras brigam por ele a todo o momento.
A tecnologia neste segmento chega com mais velocidade, é inovadora e desperta interesse de compra ao consumidor. As operadoras brigam pelos melhores planos, por intensa busca pela redução das reclamações nos setores cabíveis a isso, brigam pelas melhores condições nos maiores clientes, com isso esperam ganhar mais market share de volume. É o mercado!

A empresa tem que despertar no seu corpo funcional a coragem empreendedora na condução de seu negócio através das seguintes cadeias de valor agregado para o alcance de seus resultados previstos:
1. Ousar (metas), que devem ser tão agressivas quanto às oportunidades que o mercado oferece – envolver (gente) este é o principal elemento dentro de uma organização empresável – mover (mudanças e horizontes) para que não fique sempre no mesmo lugar. No setor de telefonia móvel o profissional deve se reinventar a cada 06 meses de trabalho, senão não consegue acompanhar a agilidade do segmento e nem mesmo competir com motivação e criatividade.
2. Propósito (Clareza), que faz parte da precisão no setor de acordo com a comunicação empregada no processo – pessoa (networking), muito útil para se conseguir todas as informações de mercado, principalmente as tendências e ações de seus concorrentes – processo (canalização de recursos), o mais simples e objetivo possível.
3. Competência (saber aprender), aprender e ensinar, ter humildade de perguntar e capacidade para receber um feedback, a competência não está centrada somente no resultado final e sim em todo processo para alcançar este resultado – atitude (querer aplicar), ter ambição faz parte do impulso que o profissional tem para execução, sem ele, não se consegue criar, crescer muito menos – postura (fazer acontecer), a postura profissional na maioria das vezes pode decidir, portanto é de suma importância mantê-la a altura daquilo que se deseja alcançar.
4. Conhecimento (multicultural), no mundo de telefonia móvel, esse fator tem que ser atualizado a todo instante, senão fica pra trás e perde espaço mesmo – experiência (internacional), se puder fazer algo lá fora, não perca seu tempo, é diferencial curricular – sabedoria (pessoal), principalmente para escolher sua equipe e fazer resultados com ela.
As cadeias evolutivas acima sugerem que o aprendizado contínuo se torne um hábito organizacional, necessário para alcançar o objetivo maior: crescer e expandir – com rentabilidade, de forma sustentável, o mínimo que se pode fazer pra se manter no mercado e ter essa empresabilidade exposta, não se iluda com a primeira posição no mercado, a manutenção desta depende destes “detalhezinhos” ai, simples né?
O grau de exigência que as empresas demonstram com relação a sua empresabilidade estimula os players do mercado a jogar no time dela, sendo assim, os proprietários da empresabilidade, empresas “empregáveis”, estão “com a faca e o queijo na mão”, daí a importância de se ter esse diferencial, tudo que se planeja está sujeito a acontecer com maior freqüência e menos dificuldade.
Para ser percebida, conhecida, reconhecida e recompensada como sendo diferente e não sendo “apenas mais 1” requer das empresas atitudes que as torne ou as mantenha viáveis na percepção dos seus stakeholders e principalmente na atração de clientes internos e externos. É criar forças e se tornar cada vez mais empresável no meio de atuação.
O desenvolvimento das respectivas atitudes tem sua âncora na formulação da visão de Futuro através de um Plano de Negócios, que por sua vez deve ser alimentado pela Gestão do Conhecimento. Pergunta: como vamos ganhar dinheiro com aquilo que conhecemos e que descentraliza a gestão através da criação de unidades de negócios?
A empresa dos tempos atuais deve se entender como sendo a responsável por sua carreira - crescimento e expansão com rentabilidade sustentável - e gerir suas competências de tal forma que possa multiplicar seu potencial produtivo no seu negócio central, fazer um verdadeiro drop size de suas competências, aproveitando todo potencial de seus setores e de seus profissionais, usar de benchmarking interno também é uma excelente opção!
Uma tarefa que se torna mais fácil na medida em que a Alta Direção identifica com qual time vai jogar - a partir daí passa a capacitar seu time de acordo com os planejamentos e perfil de trabalho; quais clientes vão servir, pois, com isso segmenta sua carteira de clientes e ganha poder para ações individuais de acordo com cada região e cada perfil de cliente; de quais fornecedores vai comprar, e quais investidores vai atrair.
Resta lembrar que a empresabilidade engloba a dimensão - comunidade, onde a empresa está inserida; nasce aqui a razão para combinar decisões empresariais, de cunho econômico-financeiro, com ações de responsabilidade sócio-ambiental.
Fecha se assim o “clube” dos stakeholders da empresa: pessoal – cliente – fornecedor – investidor – comunidade.

Precisamos fazer com que esse novo fato que se apresenta ao mercado seja bem estudado no segmento de telefonia móvel, pois como citei antes, é um mercado crescente e bastante agressivo em comparado com os demais, tem os melhores empregáveis e, desta forma, a viabilização da empresabilidade fica mais externa.
A atração de seus stakeholders fortalece a base da organização, motiva seus colaboradores e com isso cria-se uma rotina de excelência nas atividades, passando á normalização das atitudes e se destacando no mercado de trabalho, ganhando a briga por espaço e por posicionamento sempre.


Ivair Faria
Gerente Comercial - Distribuição de recargas Vivo
Graduação em marketing e negócios
MBA - liderança e gestão de pessoas
fishermanofthesky.blogspot.com

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

MERCADO DE TRABALHO


No nosso dia-a-dia recebemos diversos tipos de e-mails e dentre esse montante salva-se alguns, que podemos abrir, ler uma parte, ler por inteiro e algumas vezes repassar. Na maioria, temos muita gente despreocupada com o mercado e que fica perdendo tempo com gracinhas e correntes, onde enviam o dia inteiro a espera de um brinde, uma parcela financeira direcionada a menininha que está na foto e por ai vai...

Li um mail hoje que fiquei a pensar como será nosso futuro, mas vi pela mensagem, escrita a mais de 2.000 anos, que a excência do negócio não muda, o foco é o mesmo, o resultado e o posicionamento profissional vem sendo o principal objetivo desde então, ou seja, quem quer ter uma vida tranquila, precisa ter posição no mercado, ou então...ganhar na mega sena. Segue:


Falando sobre o mercado de trabalho:

Existem pessoas que realmente sabem dar respostas sábias às grandes questões sobre o mercado de trabalho. Aqui vai um pequeno resumo da entrevista com o famoso Reynold Remhn :

Pergunta: Ainda é possível ser feliz num mundo tão competitivo?

Resposta: Quanto mais conhecimento conseguimos acumular, mais entendemos que ainda falta muito para aprendermos. É por isso que sofremos. Trabalhar em excesso é como perseguir o vento. A felicidade só existe para quem souber aproveitar agora os frutos do seu trabalho.

Segunda pergunta: O profissional do futuro será um individualista?

Resposta: Pelo contrário. O azar será de quem ficar sozinho, porque se cair, não terá ninguém para ajudá-lo a levantar-se.

Terceira pergunta: Que conselho o Sr. dá aos jovens que estão entrando no mercado de trabalho?

Resposta: É melhor ser criticado pelos sábios do que ser elogiado pelos insensatos. Elogios vazios são como gravetos atirados em uma fogueira..

Quarta pergunta: E para os funcionários que tem Chefes centralizadores e perversos?

Reposta: Muitas vezes os justos são tratados pela cartilha dos injustos, mas isso passa. Por mais poderoso que alguém pareça ser, essa pessoa ainda será incapaz de dominar a própria respiração.

Última pergunta: O que é exatamente sucesso?

Resposta: É o sono gostoso. Se a fartura do rico não o deixa dormir, ele estará acumulando, ao mesmo tempo, sua riqueza e sua desgraça.

Belas e sábias respostas.

Eu só queria me desculpar pelo fato de que não existe nenhum Reynold Remhn. Eu o inventei.

Todas as respostas, embora extremamente atuais, foram retiradas de um livro escrito há 2.300 anos:

O ECLESIASTES , Bíblia.

Mas, se eu dissesse isso logo no começo, muita gente, talvez, nem tivesse
interesse em continuar me ouvindo.

Max Gheringer para a rádio CBN


Realmente é pra se pensar, mais que isso, é pra agir!


Sucesso a todos

terça-feira, 18 de novembro de 2008

O MES É MEU, COM SUCESSO O ANO INTEIRO!


..."Hoje eu vou beber para celebrar...

o aniversário de Seu Gaspar...

deve ter festa em algum lugar"...

Raul Seixas........

O mês de Novembro é pra mim o melhor mês do ano, pois é nele que me vejo com mais um ano realizado, mais um ano de vida e mais um ano de planejamento, pois a "Pretinha" do céu me deu a oportunidade de iniciar a vida com mais 365 dias sucesso, mais vida, mais alegria e conquistas.

A passagem do ano nos mostra tempo de reflexão, a passagem de aniversário nos mostra a oportunidade dada para repensarmos o que não fizemos neste ano vivido, quais oportunidade deixamos escapar, o que fizemos de errado e o que vamos fazer pra não errar novamente. De repente podemos dividir nosso ano nessas duas datas e dar maior ênfase em nosso planejamento, isso ai, mais estratégias e chance maior devido a divisão pra novas ideias.


Nós, brasileiros, vivemos em plena ilusão, sofremos, ganhamos pouco, temos crises, perdemos na maioria das vezes, é carestia, é inflação, são juros altos, falta de moradia, falta de oportunidade, e sempre sorrindo, sempre contando nossas piadas, bebendo nossa cervejinha, enfim, somos felizes, mas, venhamos e convenhamos, ninguém de nós pode se acomodar em cima destas "fajutas" desculpas para não crescermos na vida.


É nesse detalhe que analisamos os aniversariantes e podemos aferir com tamanha presteza qual é mesmo a real identificação cronológica de cada um, se é pela visão de vida ou pelo fator "enfileiramento de números", esse ai...hummmm tá por fora, não entro nessa mesmo.


Vamos comemorar mais um ano de vida, com sucesso, pois este, nunca mais voltará, se errar fica errado, se perder, perdeu, mas se ganhar, é soma para iniciar mais um ano vitorioso!


Neste eu garanto que somei, obrigado Gabriel, Bruninho e Neilma, obrigado D. Olímpia, obrigado minha Pretinha e parabéns pra mim, acho que mereço sim!


Que venha mais um ano...