COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

segunda-feira, 27 de junho de 2011

APENAS BOATOS...

Quando estamos entre a criança e a adolescência muitas vezes deixamos que a mente viaje, é uma mistura de sonho e fantasia. E vez por outra se inventa histórias, ou se aumenta as histórias que ouve a respeito da vida alheia. E quem ouve faz o mesmo, e então se transforma em boato. E quando isso acontece numa cidade pequena, o resultado é mais desastroso ainda, envolvendo inclusive vizinhanças e famílias. Na verdade, na maioria das vezes não se faz por mal, porém se torna vício e os desagradáveis incidentes se multiplicam. Quando o resultado dos comentários indevidos dos filhos chega em casa, há mães que castigam, há mães que aconselham, há mães que procura ouvir as versões dos filhos, e há mães que fingem que nada aconteceu. Vejam o que esta mãe de uma comunidade rural, no interior, fez:

Sentada num tamborete no quintal da casa, quando soprava o vento de final de tarde, uma mãe chamou as filhas: “ Por favor filhas, venham até aqui. Peguem esta almofada e esta tesoura que está aí no banco de madeira. Agora, vocês vão cortar a almofada ao meio. Cada uma cortará de um lado”. A almofada estava cheia de penas, e logo em seguida, levadas pelo vento, elas enchiam o quintal num espetáculo lindo, parecendo um tempestade de neve. As filhas ficaram encantadas com o espetáculo imprevisto.

Então aquela mãe voltou a chamar as filhas, pegou sua cesta de costura, e disse: ”agora vocês vão encher esta cesta com as penas que vocês liberaram ao vento”. As filhas reagiram: “ mãe, isso é impossível, as penas voaram por toda parte!”. Aquela mãe simples do interior, mas com a virtude dos sábios, disse:”Essas penas parecem boatos que certas pessoas propagam! Uma vez espalhados, não há meios de fazê-los voltar ao ponto de partida”. Eu, pessoalmente, quando me sinto inclinado a repetir comentários e boatos ouvidos, lembro-me sempre desta história que li, me reforçando a certeza que depois das penas soltas ao vento, de nenhuma forma se pode tornar a recolher para uma nova almofada. Pense nisso...e uma ótima semana para você!

Nenhum comentário: