COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

quarta-feira, 13 de junho de 2012

SE A MODA PEGA POR AQUI, TEREMOS "PRAIA" DE NUDISMO EM MUITAS CIDADES ... kkkkkk


Sapateiro não dá no couro e sua mulher fica pelada na rua

Peladona chamou na chincha: "você não é homem pra dar conta disso tudo!"







O pessoal que mora perto do mercado Mogoga, em Gucha, no Quênia (África), nem precisou ligar na novela ontem. O barraco rolou na rua mesmo e os protagonistas foram o sapateiro e sua mulher, que trabalha em uma banca de frutas.
Tudo começou quando a mulher do sapateiro largou a barraquinha de frutas e saiu para tomar bons drinques com um outro cara.
Não tardou até que o sapateiro fosse alertado pelo radar das fofoqueiras.

Sem pensar duas vezes, o sapateiro recolheu suas coisas, fechou a lojinha e partiu estalando os chifres para o lugar onde a sua mulher havia sido vista.
Quando chegou lá, encontrou a mulher bebaça, se atirando nos braços de quem quisesse pegar e sendo conduzida para o interior de um veículo cor de carne.
Furioso, o sapateiro tomou a mulher nos braços, gritou que ela era sua mulher e quis saber o que ela estava indo fazer com outro homem àquela hora.

No Quênia, há uma infinidade de "boda boda", que são uma mistura de motoboys e taxistas, uma vez que eles dirigem motos que funcionam como táxis.

Com o barraco instaurado atrás do mercado, todos os boda boda de Gucha correram pra ver o chifrudo do sapateiro dar uma prensa na periguete da sua mulher que, cansada de levar porrada, resolveu tomar uma atitude drástica: arrancou toda a roupa e ficou peladaça no meio da rua.
Bêbada, pelada, apanhando do marido, a mulher ainda desafiou e ofendeu a masculinidade do sapateiro, dizendo que ele nem curte a fruta.

— Você nem é homem! Mesmo que eu tire toda a minha roupa, você não consegue fazer nada comigo. Eu só quero aquilo que é meu por direito.

A multidão rachou de rir da mulher da banca de frutas que, bêbada e nua, chamava o marido de frutinha.
Aproveitando a confusão, a mulher se meteu na garupa de um boda boda e ordenou que ele seguisse o carro cor de carne de seu amante.


Nenhum comentário: