COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

DESCOBERTA A PÍLULA CONTRA O PORRE


Tomar café forte ou um banho gelado pode ser coisa do passado quando o assunto for “curar um porre”.

  Um estudo do engenheiro biomolecular Yunfeng Lu e o bioquímico Cheng Ji, ambos da Universidade da Califórnia, conseguiu “embalar” enzimas dentro de um sistema atóxico de polímeros especiais, em escalas nanométricas. Estas enzimas conseguem imitar o mesmo processo natural que o corpo humano possui para processar o álcool.

  As nanocápsulas de enzimas biomiméticas mostraram-se atuantes de forma extremamente rápida, reduzindo drasticamente os níveis de etanol  no sangue de ratos que ingeriram altíssimas doses de bebidas alcoólicas. O produto já é taxado como uma alternativa viável para pessoas em situações extremas como o coma alcoólico.

Segundo publicado do site Technology Review: “Para provar o sistema de eficácia, os pesquisadores injetaram as nanocápsulas contendo duas enzimas em ratos. Uma das enzimas, a oxidase, produz peróxido de hidrogênio (água oxigenada), trabalhando em conjunto com outra enzima que decompõem os subprodutos prejudiciais. Os pesquisadores relataram que os ratos que receberam o tratamento com as enzimas tiveram queda nos níveis sanguíneos de álcool de forma rápida, comparado com o grupo controle”.
O site ainda prossegue: “O avanço poderia abrir portas para uma nova classe de medicamentos enzimáticos, segundo Lu. Ele estima que um antídoto possa ser ingerido”.

Ingerir cápsulas com estas enzimas seria o mesmo que ter dezenas de milhões de células do fígado circulando por seu corpo e ajudando na degradação do álcool.

  Além da farmacologia aplicada, questões sociais devem ser abordadas: Quais seriam os impactos da descoberta de um “antídoto” para a bebedeira? Evidentemente, o aumento do consumo de álcool será observado em todo o mundo, especialmente entre jovens.

A pesquisa dos dois cientistas foi publicada na última edição da revista Nature Nanotechnology.

Nenhum comentário: