COMENTÁRIOS/ENVIO DE ARTIGOS E FOTOS/SUGESTÕES

Para sugestões, envio de artigos e fotos que queiram ser postados e comentários, usem nosso e-mail:

ivaschin@gmail.com

terça-feira, 23 de abril de 2013

OPORTUNIDADES NO MERCADO!!!


Casais cristãos compram pela web artigos para apimentar a relação, como fantasias, jogos eróticos, algemas e massageadores
Ao contrário do que muita gente pensa, evangélicos sabem muito bem curtir a vida a dois quando o assunto é sexo. Sex shops cristãos estão surgindo em todo o mundo, e o Brasil já tratou de inventar o seu. Fantasias, jogos eróticos, algemas e massageadores são alguns dos apetrechos usados pelos fiéis na hora de animar o casamento. E pela Internet eles sentem menos vergonha de comprar seus acessórios preferidos.


O idealizador do site brasileiro SexshopGospel, Maicon Santos, um solteiro de 30 anos, conta que se inspirou em páginas americanas para criar a versão tupiniquim. “A ideia surgiu ao ler livros evangélicos sobre sexo, divórcios e casamentos nas igrejas. Percebi a falta de ‘atrativos’ para ajudar na manutenção do relacionamento. Após pesquisas, descobri que já existem sites no exterior e adotei a ideia”, explicou o mineiro, que mora há 10 anos no Rio.
Maicon conta que o diferencial da sua empreitada está na venda de produtos para casais e produtos sensuais ‘leves’. “Não temos artigos sadomasoquistas, anais, nem homossexuais. O site já está no ar há um ano e vende bem”, anuncia Maicon, que é evangélico mas não frequenta a igreja. Entre os produtos mais vendidos no site estão vibradores, massageadores, bolinhas excitantes, fantasias e lubrificantes. Sobre as críticas, ele rebate: “São naturais do homem, até Cristo foi criticado.”
Para o casal cristão Hugo e Lorena Brandão, de 28 e 27 anos, juntos há cinco e pais de bebê de um ano, usar brinquedinhos não é pecado. “Tudo vale a pena com moderação. Fantasias, gel e algemas deixam o relacionamento renovado, surpreendem o parceiro”, acredita Hugo, que só não vê revistas ou vídeos pornográficos porque quer “sempre manter a esposa como foco principal do desejo”.
O pastor Daniel Lopes, da Assembleia de Deus de Rocha Miranda, encara com naturalidade a novidade, mas diz que ainda há limites. “Não vejo problema de casais casados comprarem artigos de sex shops, contanto que os dois concordem”, explica o pastor, casado há mais de 20 anos.

Nenhum comentário: